Pára! Pára! Pára! Vá com calma. Só para avisar que os proximos três links são atalhos para os conteudos desta página. Espero que seja útil. Tenha um bom dia! Atalho para o Menu da Página Atalho para o Conteúdo da Página Atalho para o menu direito Ministério da Educação
UFSC » CENTRO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS
CFH

Sociedades científicas assinam Moção de Repúdio contra as ações violentas da polícia na UFSC
Publicado em 22/04/2014 às 15:28

MOÇÃO DE REPÚDIO ÀS AÇÕES VIOLENTAS CONTRA A COMUNIDADE ACADÊMICA DA UFSC 

As Sociedades Científicas abaixo assinadas vêm a público repudiar as ações violentas da Polícia Federal e da Polícia Militar no Campus da UFSC, que agrediram estudantes, professores e servidores e, sobretudo, feriram a autonomia universitária e os valores educacionais que regem a formação de nosso alunato, pautados no respeito, no diálogo, na ética e na cidadania.

Causa indignação e também estranheza a ocorrência de tais ações na UFSC, uma instituição que tem se destacado como uma das melhores universidades do país e do exterior. De acordo com o Ranking Mundial promovido pelo Conselho Superior de Investigações Científicas, ela ocupa um honroso terceiro lugar em produção científica, sendo antecedida apenas pela USP e pela UFRGS. Segundo o Ranking Web of Universities, a UFSC ocupa a quarta posição entre as universidades da América Latina. Fundada em 1960, esta instituição, considerada por várias instâncias avaliadoras a melhor do Estado de Santa Catarina, tem se expandido incansavelmente, abrigando hoje um contingente formado por cerca de 43.000 alunos matriculados em 105 cursos de graduação e 156 de pós-graduação. Os/as docentes que atuam nesses cursos são em sua maioria doutores/as e trabalham em regime de dedicação exclusiva, liderando núcleos e grupos de pesquisa. Em 2013, dos 56 programas de Pós-Graduação da UFSC avaliados pela Capes, 17 alcançaram as notas mais altas (6 e 7) concedidas pela agência, referendando os cursos como de excelência internacional.  Dois desses programas de pós-graduação estão no CFH. No último quadriênio, a UFSC diplomou 14.588 profissionais graduados e 10.824 pós-graduados, atingindo a marca recorde de 25.412 diplomados. A isso se soma a colaboração de 3.075 técnicos-administrativos.

Esses números refletem claramente o compromisso desta instituição com uma política de expansão e de qualidade do ensino público superior, favorecendo a inclusão e a permanência dos estudantes através da garantia de bolsas de estudo, da definição clara de Programas de Ações Afirmativas, bem como do funcionamento da Biblioteca Universitária, do RU e do HU.  Além desses números favoráveis, a existência de 317 acordos da UFSC com universidades e instituições de pesquisa de diferentes países, sinaliza o lugar de destaque que ela ocupa também no cenário internacional. Essa trajetória exemplar, marcada por sólido e sistemático empenho em busca de um ensino de excelência, nos orgulha e estimula em nossas atividades de ensino, pesquisa e extensão universitária.

Também manifestamos nossa estranheza diante do modo como a imagem da UFSC e os episódios desencadeados pela intransigente e violenta ação da Polícia Federal, com o apoio da Polícia Militar, têm sido insidiosamente distorcidos pelos órgãos de imprensa locais. Esses parecem desconhecer não apenas a qualidade do trabalho acadêmico, mas também o impacto educacional, social e econômico altamente positivo da UFSC, que deveria ser tratada com o devido respeito, como um patrimônio do Estado de Santa Catarina.

Reconhecemos que, assim como qualquer outro local do país, os vários campi da UFSC estão sujeitos aos conflitos e tensões típicos do crescimento urbano e dos espaços democráticos nos quais a diversidade de opiniões e os movimentos sociais se expressam e convivem num clima de liberdade. No entanto, entendemos que as intervenções policiais devem passar pela apreciação e anuência da Reitoria. Consideramos fundamental o respeito à autonomia universitária e à legitimidade de suas instâncias de decisão.

Atualmente, a UFSC é liderada por duas professoras/pesquisadoras que foram eleitas democraticamente pela comunidade acadêmica, cujas trajetórias refletem o comprometimento com a seriedade e a qualidade dessa instituição. Externamos confiança em nossas colegas e repudiamos as infâmias veiculadas na imprensa,  muitas das quais colocam em dúvida suas competências por serem mulheres.

Assim, as Sociedades Científicas abaixo assinadas abaixo assinadas manifestam seu repúdio à violência empreendida pela Polícia Federal e Polícia Militar no Campus da UFSC, entendendo que esta se coaduna com reiteradas ações de criminalização dos movimentos sociais, e reforçam sua solidariedade aos/às professores/as por ela atingidos/as, especialmente Paulo Pinheiro Machado e Sônia Weidner Maluf, Diretor e Vice-Diretora do Centro de Filosofia e Ciências Humanas, aos estudantes que foram presos, aos servidores que buscaram uma solução negociada, aos feridos e à sua administração central, que legitimamente representa a comunidade universitária. É inaceitável qualquer forma de violência, ainda mais em um espaço público e vocacionado para a educação como é um Campus Universitário.

Associação Brasileira de Antropologia

Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação

Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação

Associação Brasileira de Pesquisadores em Jornalismo

Sociedade Botânica do Brasil

Antonio José da Silva Oliveira – Conselho da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência

Ingrid Dragan Taricano – Sociedade Brasileira da Ciência em Animais de Laboratório

Sociedade Brasileira de Biologia Celular

Sociedade Brasileira de Engenharia Biomédica

Sociedade Brasileira de Bioquímica e Biologia Molecular

Sociedade Brasileira de Farmacognosia

Sociedade Brasileira de Química

Associação Brasileira de Enfermagem

Sociedade Brasileira de História da Educação

Colégio Brasileiro de Ciências do Esporte

Universidades continuam manifestando apoio à UFSC diante da ação policial do dia 25 de março no campus
Publicado em 22/04/2014 às 11:15

Seguem abaixo a nota da reitoria da UNIFESP e a carta do reitor da UFRJ:

Nota de solidariedade da reitoria da Unifesp

São Paulo, 28 de Março de 2014

A Reitoria da Universidade Federal de São Paulo vem manifestar sua solidariedade à Reitoria da Universidade Federal de Santa Catarina e expressar sua indignação com os atos de tamanha violência ocorridos no último dia 25 de março. A presença de mecanismos de repressão no campus Universitário coloca em risco a Autonomia Universitária, que tantas gerações lutaram para conquistar.

Especialmente neste ano que lembramos dos 50 anos do golpe e do período de ditadura, não podemos ser coniventes, nem tolerar a presença de repressão ao ambiente universitário, muito menos o desrespeito à professores, estudantes e técnicos administrativos.

Reafirmamos nosso apoio aos membros da comunidade universitária da UFSC.

Reitoria da Unifesp

Carta do reitor da UFRJ à reitora da UFSC

Prezada Reitora Roselane Neckel,

Ao conhecer os detalhes das circunstâncias e desdobramentos envolvidos nos recentes e lamentáveis fatos ocorridos na sua Universidade Federal de Santa Catarina, diferentes sentimentos oscilaram entre dois polos: uma enorme sensação de repúdio a tudo e a todos que não enxergam a importância, a necessidade e o potencial transformador das nossas universidades públicas na construção de uma sociedade mais justa, mais democrática, mais igualitária, mais humanizada, mais responsável; e a convicção sobre a necessidade de alguma manifestação explícita e urgente de solidariedade e apoio, na expectativa de lhe atenuar as inevitáveis angústias que decorrem desses desgastantes momentos, ressaltando que a sua luta não será solitária e, se possível, contribuir para fortalecer ainda mais os seus reconhecidos ideais e corajosas atitudes em defesa de uma universidade pública cada vez mais qualificada, cada vez mais inclusiva, cada vez mais cidadã e, daí, a urgência de que ela seja cada vez mais autônoma.

Reitora Roselane, receba da Universidade Federal do Rio de Janeiro o nosso integral e incondicional apoio e homenagens à sua força moral e à sua disposição para enfrentar e superar as incompreensões e ações equivocadas que apenas retardam, atrapalham, mas jamais afastarão as nossas universidades dos seus legítimos compromissos com o exercício da reflexão crítica e avanços das práticas e conceitos educacionais que se reflitam no ideal de cidadania plena da nossa sociedade.

Embora tenhamos a lamentar, a luta pela defesa da inviolabilidade do espaço universitário acabou se fortalecendo e se ampliando após as cenas fortes vivenciadas pela Comunidade da Universidade Federal de Santa Catarina. O episódio nos alertou sobre as nossas vulnerabilidades, fragilidades e destacou os atuais limites das nossas possibilidades. O tema nos exige reflexões profundas e ações conjuntas e integradas. A sua luta agora será também a nossa batalha!

Saudações universitárias, solidárias e fraternas,

Carlos Levi,

Reitor – Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ

Direção do CFH divulga carta às mães e aos pais dos/as estudantes sobre os eventos de 25 de março de 2014 no campus da UFSC
Publicado em 14/04/2014 às 0:19

Carta às mães e aos pais dos/as estudantes do Centro de Filosofia e Ciências Humanas da UFSC sobre os eventos de 25 de março de 2014 no campus da UFSC

Caros/as pais e mães

No dia 25 de março, por ordem de um delegado da Polícia Federal já afastado de suas funções, a tropa de choque da Polícia Militar investiu contra 300 alunos e professores dentro do campus da UFSC, numa ação que nunca havia ocorrido em toda a história da UFSC. A atitude da Direção do CFH, assim como dos demais professores e técnicos presentes no momento da ação policial, foi de defesa da integridade física e moral dos estudantes presentes, muitos deles menores de idade, situação que não foi respeitada pelos policiais em sua ação de violência desmedida.

A imprensa local retratou os fatos de maneira extremamente parcial e sem espaço para que a versão da Universidade fosse publicada, deixando a comunidade interna e externa à UFSC inquieta e preocupada com a situação da universidade e em especial do CFH. Os ataques desferidos pelo delegado, em seu destempero, são injustos e caluniosos, difamando uma das mais reconhecidas universidades públicas brasileiras.

Em função disso, gostaríamos de fazer os seguintes esclarecimentos:

1)      A UFSC é uma das mais respeitadas universidades públicas do país, sendo classificada como a terceira melhor do Brasil em produção científica e a quarta da América Latina, segundo o Ranking Web of Universities.

2)      O Centro de Filosofia e Ciências Humanas é o segundo maior centro da UFSC em vários itens, contando com 10 cursos de graduação e sete de pós-graduação todos muito bem classificados nas avaliações do MEC e da CAPES respectivamente. O CFH possui ainda uma reconhecida e densa produção científica, através de publicações, projetos de pesquisa desenvolvidos, além de trabalhos de extensão com um profundo impacto social e nas políticas públicas.

3)      Em relação aos itens de segurança pública, desde 2012 tem ocorrido uma importante redução de todas as ocorrências na UFSC, conforme o quadro abaixo, o que faz com denúncias alarmistas sobre aumento da violência não tenham nenhum fundamento na realidade. Os dados abaixo referem-se a todo o campus da UFSC, onde circulam cerca de 40 mil pessoas por dia.

4)      Especificamente em relação ao CFH, a direção atual, que assumiu em 26 de dezembro de 2012, tem feito um trabalho sistemático de revitalização do bosque do CFH (palco da ação violenta da polícia no dia 25 de março). Foi fechado um estacionamento informal no local, foram plantadas mais de 60 mudas de árvores nativas, envolvendo a comunidade de alunos, técnicos e professores do Centro. Desde o fechamento do estacionamento ilegal que funcionava no bosque, houve uma redução significativa das ocorrências. Esses fatos nos fazem indagar sobre qual seria o objetivo de uma ação policial tão violenta e irregular como a que foi desferida no dia 25.

5)      As aulas e demais atividades da UFSC e do CFH estão ocorrendo normalmente, a não ser no caso das atividades paralisadas em função da greve nacional dos Técnicos-Administrativos, que se iniciou em 17 de março.

Com esses esclarecimentos, queremos tranquilizar pais e mães dos estudantes do CFH e dar a nossa garantia de que o ambiente em que seus filhos e filhas estudam é um ambiente saudável, de estudo e aprendizado, em que o respeito à cidadania e aos direitos e a solidariedade para com o próximo são valores incentivados. Tenham a certeza de que seus filhos e filhas estão tendo a melhor formação acadêmica e científica de que poderiam desfrutar não apenas entre as universidades brasileiras, mas entre as melhores da América Latina e do mundo.

Finalizamos esta carta, colocando-nos à disposição de vocês para quaisquer esclarecimentos que possam possibilitar que seu olhar se dirija para nossa Universidade e nosso Centro como locus de produção científica de alto nível e de formação profissional voltada as necessidades da população brasileira. O contato pode ser feito pelo email direcaocfh@gmail.com

Direção do CFH

Museus universitários em ação é o tema da segunda mesa do Ciclo sobre Museus Universitários
Publicado em 12/04/2014 às 10:26

Nesta segunda, integrantes do Museu de Arqueologia e Etnologia da Universidade Federal do Paraná (MAE/UFPr) participarão da segunda mesa do Ciclo de Debates sobre Museus Universitários. A diretora do MAE, Márcia C. Rosato, o vice-diretor, professor Miguel Carid Naveira, e a museóloga Ana Luisa de Mello Nascimento debaterão o tema “Museus universitários em ação: planejamento, pesquisa e interdisciplinariedade no MAE-UFPR”.

A Mesa faz parte do Ciclo sobre Museus Universitários, que se estenderá ao longo deste semestre no CFH.

Segunda 14 de abril, às 14h30, no auditório do MArquE/UFSC.

Nesta quarta começa o ciclo sobre Museus Universitários no CFH
Publicado em 06/04/2014 às 12:16

CICLO DE DEBATES SOBRE MUSEUS UNIVERSITÁRIOS : ARQUEOLOGIA E ETNOLOGIA

9 de abril – quarta – às 14h30 no auditório do MarquE

Arte ou Artefato: uma questão museológica?

Palestrante : Cristiana Barreto -  arqueóloga (MAE-USP)

Bacharel em História, Mestre em Antropologia Social e Doutora em Arqueologia, sempre pela Universidade de São Paulo, cursou também o programa de doutorado no departamento de Antropologia da Universidade de Pittsburgh (EUA). Atualmente desenvolve projeto de pesquisa de pós-doutorado junto ao Museu de Arqueologia e Etnologia da USP sobre a representação do corpo na Amazônia pré-colonial. Relizou pesquisas arqueológicas no Vale do Ribeira (SP) sobre sambaquis fluviais, no Brasil Central (MT e GO) sobre as aldeias circulares de povos ceramistas, e investiga temas relacionados à organização social e identidades de sociedades indígenas. Nos últimos anos tem se dedicado ao estudo dos universos estéticos da Amazônia pré-colonial e da relação entre estilos das cerâmicas e identidades culturais. Publicou artigos sobre a história da arqueologia no Brasil e realizou a curadoria de diversas exposições sobre arte indígena pré-colonial, com uma preocupação especial sobre a museologia e exposições de temas antropológicos.

Próximos eventos do Ciclo :

14 de abril – às 14h30 no auditório

Marcia c. Rosato – Diretora do Museu de Arqueologia e Etnologia (MAE – UFPR)

Miguel Alfredo Carid Naveira – vice-diretor do MAE-UFPR e Professor Adjunto Departamento de Antropología-UFPR

Ana Luisa de Mello Nascimento  – Museóloga do MAE-UFPR

16 de maio – 14h

Fabíola A. Silva arqueóloga do MAE/USP

Professores/as da UFSC divulgam moção de repúdio às ações violentas contra a comunidade acadêmica
Publicado em 01/04/2014 às 19:14

MOÇÃO DE REPÚDIO ÀS AÇÕES VIOLENTAS CONTRA A COMUNIDADE ACADÊMICA DA UFSC

Os professores e professoras do Centro de Filosofia e Ciências Humanas (CFH), do Centro de Comunicação e Expressão (CCE), do Centro de Educação (CED) e de outros Centros, abaixo assinados, vêm a público repudiar as ações violentas da Polícia Federal e da Polícia Militar no Campus da UFSC, que agrediram estudantes, professores e servidores e, sobretudo, feriram a autonomia universitária e os valores educacionais que regem a formação de nosso alunato, pautados no respeito, no diálogo, na ética e na cidadania.

            Causa indignação e também estranheza a ocorrência de tais ações na UFSC, uma instituição que tem se destacado como uma das melhores universidades do país e do exterior. De acordo com o Ranking Mundial promovido pelo Conselho Superior de Investigações Científicas, ela ocupa um honroso terceiro lugar em produção científica, sendo antecedida apenas pela USP e pela UFRGS. Segundo o Ranking Web of Universities, a UFSC ocupa a quarta posição entre as universidades da América Latina. Fundada em 1960, esta instituição, considerada por várias instâncias avaliadoras a melhor do Estado de Santa Catarina, tem se expandido incansavelmente, abrigando hoje um contingente formado por cerca de 43.000 alunos matriculados em 105 cursos de graduação e 156 de pós-graduação. Os/as docentes que atuam nesses cursos são em sua maioria doutores/as e trabalham em regime de dedicação exclusiva, liderando núcleos e grupos de pesquisa. Em 2013, dos 56 programas de Pós-Graduação da UFSC avaliados pela Capes, 17 alcançaram as notas mais altas (6 e 7) concedidas pela agência, referendando os cursos como de excelência internacional.  Dois desses programas de pós-graduação estão no CFH. No último quadriênio, a UFSC diplomou 14.588 profissionais graduados e 10.824 pós-graduados, atingindo a marca recorde de 25.412 diplomados. A isso se soma a colaboração de 3.075 técnicos-administrativos.

Esses números refletem claramente o compromisso desta instituição com uma política de expansão e de qualidade do ensino público superior, favorecendo a inclusão e a permanência dos estudantes através da garantia de bolsas de estudo, da definição clara de Programas de Ações Afirmativas, bem como do funcionamento da Biblioteca Universitária, do RU e do HU.  Além desses números favoráveis, a existência de 317 acordos da UFSC com universidades e instituições de pesquisa de diferentes países, sinaliza o lugar de destaque que ela ocupa também no cenário internacional. Essa trajetória exemplar, marcada por sólido e sistemático empenho em busca de um ensino de excelência, nos orgulha e estimula em nossas atividades de ensino, pesquisa e extensão universitária.

            Também manifestamos nossa estranheza diante do modo como a imagem da UFSC e os episódios desencadeados pela intransigente e violenta ação da Polícia Federal, com o apoio da Polícia Militar, têm sido insidiosamente distorcidos pelos órgãos de imprensa locais. Esses parecem desconhecer não apenas a qualidade do trabalho acadêmico, mas também o impacto educacional, social e econômico altamente positivo da UFSC, que deveria ser tratada com o devido respeito, como um patrimônio do Estado de Santa Catarina.

Reconhecemos que, assim como qualquer outro local do país, os vários campi da UFSC estão sujeitos aos conflitos e tensões típicos do crescimento urbano e dos espaços democráticos nos quais a diversidade de opiniões e os movimentos sociais se expressam e convivem num clima de liberdade. No entanto, entendemos que as intervenções policiais devem passar pela apreciação e anuência da Reitoria. Consideramos fundamental o respeito à autonomia universitária e à legitimidade de suas instâncias de decisão.

Atualmente, a UFSC é liderada por duas professoras/pesquisadoras que foram eleitas democraticamente pela comunidade acadêmica, cujas trajetórias refletem o comprometimento com a seriedade e a qualidade dessa instituição. Externamos confiança em nossas colegas e repudiamos as infâmias veiculadas na imprensa,  muitas das quais colocam em dúvida suas competências por serem mulheres.

Assim, os professores e professoras do CFH, do CCE, do CED e de outros Centros, abaixo assinados, manifestam seu repúdio à violência empreendida pela Polícia Federal e Polícia Militar no Campus da UFSC, entendendo que esta se coaduna com reiteradas ações de criminalização dos movimentos sociais, e reforçam sua solidariedade aos/às professores/as por ela atingidos/as, especialmente Paulo Pinheiro Machado e Sônia Weidner Maluf, Diretor e Vice-Diretora do Centro de Filosofia e Ciências Humanas, aos estudantes que foram presos, aos servidores que buscaram uma solução negociada, aos feridos e à sua administração central, que legitimamente representa a comunidade universitária. É inaceitável qualquer forma de violência, ainda mais em um espaço público e vocacionado para a educação como é o Campus da UFSC!  

  1. Adair Bonini (Depto. de Línguas e Literatura Vernáculas/PPGL/CCE)
  2. Ademir Antonio Gazella (Depto. de Zootecnia e Desenvolvimento Rural/CCA)
  3. Adriano Henrique Nuernberg (Depto. de Psicologia/PPG em Psicologia/CFH)
  4. Albertina Dutra (Depto. de Biologia/CCB)
  5. Alberto Groisman (Depto. de Antropologia/PPGAS/CFH)
  6. Alessandro Pinzani (Depto. de Filosofia/PPG em Filosofia/CFH)
  7. Alexandre Bergamo (Depto. de Sociologia e Ciência Política/PPGSP/CFH)
  8. Alexandre Finotti (Depto. Engenharia Sanitária/CTC)
  9. Alícia Norma Gonzales de Castells (Depto. de Antropologia/PPGAS/CFH)
  10. Aline Dias da Silveira (Depto. de História/CFH)
  11. Ana Lúcia Mandelli de Marsillac (Depto. de Psicologia/CFH)
  12. Ana Maria Veiga (Depto. de História/CFH)
  13. Ana Luiza Britto Cesar de Andrade (Departamento de Língua e Literatura Vernáculas/CCE)
  14. Andréa Barbará S. Bousfield (Depto. de Psicologia/PPGP/CFH)
  15. Andrea Zanella (Depto. de Psicologia/PPGP/CFH)
  16. Angela Schillings (Depto. de Psicologia/CFH)
  17. Antonella Maria Imperatriz Tassinari (Depto. de Antropologia/PPGAS/CFH)
  18. Antonio Alberto Brunetta (Depto de Metodologia de Ensino/MEN)
  19. Antonio Carlos Alves (Depto. de Fitotecnia/CCA)
  20. Armando Borges de Castilho Junior (Depto Engenharia Sanitária e Ambiental/CTC)
  21. Ariane Kuhnen (Depto. de Psicologia/PPGP/CFH)
  22. Armi Maria Cardoso (Depto. de Ciências da Informação/CED)
  23. Arnaldo Xavier (Depto de Serviço Social/CSE)
  24. Artur Cesar Isaia ((Depto. de História/PPG em História/CFH)
  25. Ary Cesar Minella (Depto. de Sociologia e Ciência Política/PPGSP/CFH)
  26. Beatriz Galotti Mamigonian (Depto. de História/PPG em História/CFH)
  27. Bernadete Aued (Depto. de Sociologia e Ciência Política/PPGSP/CFH)
  28. Brigido Vizeu Camargo (Depto. de Psicologia/PPGP/CFH)
  29. Carla Inês Tasca (Depto. Bioquímica/CCB/UFSC)
  30. Carla Rosane Bressan (Depto de Serviço Social/CSE)
  31. Carlos Augusto Locatelli (Depto. de Jornalismo/CCE)
  32. Carlos Eduardo Schimidt Capela (Departamento de Língua e Literatura Vernáculas/CCE)
  33. Carmen Ojeda Ocampo Moré (Depto. de Psicologia/PPGP/CFH)
  34. Carmen Silvia Rial (Depto. de Antropologia/PPGAS/CFH)
  35. Célia Regina Vendramini (Depto de Estudos Especializados em Educação/PPGE/CED)
  36. Celso Reni Braida (Depto. de Filosofia/PPG em Filosofia/CFH)
  37. Clarilton Cardoso Ribas (Depto. de Zootecnia e Desenvolvimento Rural/CCA)
  38. Claudia de Lima Costa (Departamento de Língua e Literatura Vernáculas/CCE)
  39. Claudio Celso Alano da Cruz (Departamento de Língua e Literatura Vernáculas/CCE)
  40. Clécio Azevedo da Silva (Depto. de Geografia/PPG em Geografia/CFH)
  41. Cristiane  Lazarrotto-Volcão (Depto. de Língua e Literatura Vernáculas/CCE)
  42. Cristina Scheibe-Wolff (Depto. de História/PPG em História/CFH)
  43. Cristine Gorski Severo (Depto. de Língua e Literatura Vernáculas/CCE)
  44. Daniela Ribeiro Schneider (Depto. de Psicologia/PPGP em Psicologia/CFH)
  45. Daniele Cima (Depto. de Serviço Social/CSE)
  46. Denise Cord (Depto. de Psicologia/CFH)
  47. Edda Arzúa Ferreira (Depto. de Línguas e Literatura Vernáculas/CCE)
  48. Edilane Bertelli ( Depto. de Serviço Social/CSE)
  49. Edviges Marta Ioris (Depto. de Antropologia/PPGAS/CFH)
  50. Eliana Ávila (Depto. de Língua e Literatura Estrangeira/PPG em Inglês/CCE)
  51. Eliana E. Diehl (Departamento de Ciências Farmacêuticas/CCS)
  52. Eliete Cibele Cipriano Vaz (Depto. de Serviço Social/CSE)
  53. Elizabeth Farias da Silva  (Depto. de Sociologia e Ciência Política/PPGSP/CFH)
  54. Elson Manoel Pereira (Depto. de Geociências/PPGG/CFH)
  55. Eneida Shiroma (EED/CED)
  56. Erni José Seibel (Depto. de Sociologia e Ciência Política/PPGSP/CFH)
  57. Esther Jean Langdon (Depto. de Antropologia/PPGAS/CFH)
  58. Evelyn Martina Schuler Zea (Depto. de Antropologia/PPGAS/CFH)
  59. Ewerton Machado (Depto. de Geociências/CFH)
  60. Fábio Lopes da Silva (Departamento de Língua e Literatura Vernáculas/CCE)
  61. Fábio Luiz Búrigo (Depto. de Zootecnia e Desenvolvimento Rural/CCA e PPGSP/CFH)
  62. Fernanda Müller (Colégio de Aplicação/CED)
  63. Fernando Aguiar Brito de Souza (Depto. de Psicologia/PPGP/CFH)
  64. Fernando Cândido (Depto de História/ PPGH/CFH )
  65. Fernando Ponte de Souza (PPGSP/CFH)
  66. Gabriel Coutinho Barbosa (Depto. de Antropologia/PPGAS/CFH)
  67. George França (Colégio de Aplicação/CED)
  68. Giandréa Reuss Strenzel (Núcleo de Desenvolvimento Infantil/CED/UFSC)
  69. Gustavo Caponi (Depto. de Filosofia/PPG em Filosofia/CFH)
  70. Hamilton Carvalho de Abreu (DAU/CTC)
  71. Helder Boska de Moraes Sarmento  (Depto. de Serviço Social/CSE)
  72. Helenara Silveira Fagundes ((Depto. de Serviço Social/CSE)
  73. Henrique Espada Rodrigues Lima (Depto. de História/PPG em História/CFH)
  74. Henrique Luis Pereira Oliveira (Depto. de História/CFH)
  75. Hermetes Araújo (Depto. de História/PPG em História)
  76. Ilka Boaventura Leite (Depto. de Antropologia/PPGAS/CFH)
  77. Ilse Scherer-Warren (PPGSP/CFH)
  78. Issakar Lima Souza (BEG/CCB/UFSC)
  79. Ivete Simionatto (Depto. de Serviço Social/PPGSS/CSE)
  80. Jacques Mick (Depto. de Sociologia e Ciência Política/PPGSP/CFH)
  81. Jaime Hillesheim (Depto. de Serviço Social/CSE)
  82. Jamir Conte (Depto. de Filosofia/PPG em Filosofia/CFH)
  83. Janice Tirelli Ponte de Sousa (Depto. de Sociologia e Ciência Política/PPGSP/CFH)
  84. Janine Gomes da Silva (Depto de História/ PPGH/CFH)
  85. Jean Gabriel Castro da Costa (Depto. de Sociologia e Ciência Política/CFH)
  86. Joana Maria Pedro (Depto. de História/PPGICH/CFH)
  87. Jorge Wolff (Depto. de Letras/CCE)
  88. Josalba Ramalho Vieira (Colégio de Aplicação/CED)
  89. José Antonio Kelly Luciani (Depto. de Antropologia/PPGAS/CFH)
  90. Joselma Tavares Frutuoso (Depto. de Psicologia/MRS/CFH)
  91. Júlia Guivant (Depto. de Sociologia e Ciência Política/PPGSP/CFH)
  92. Kátia Maheirie (Depto. de Psicologia/PPGP/CFH)
  93. Leda Scheibe (PPG em Educação/CED)
  94. Leila Christina Duarte Dias (Depto. de Geografia/PPG em Geografia/CFH)
  95. Letícia Nedel (Depto de História/CFH)
  96. Liliane Moser (Depto. de Serviço Social/CSE)
  97. Louise Lhulier (PPGP em Psicologia/CFH)
  98. Lucas Bueno (Depto de História/ PPGH/CFH)
  99. Luciana Pedrosa Marcassa (TMT/CED)
  100. Luciane Maria Schlindwein (Depto. de Metodologia do Ensino/CED)
  101. Lucienne Martins Borges (Depto. de Psicologia/PPGP em Psicologia/CFH)
  102. Luís Carlos Pinheiro Machado Filho (SINTER)
  103. Luiz Fernando Bier Melgarejo – (INE/CTC)
  104. Luiz Fernando Scheibe (Depto. de Geografia/PPG em Geografia/CFH)
  105. Luiz Hebeche (Depto. de Filosofia/PPG em Filosofia/CFH)
  106. Luzinete Simões Minella (PPGICH/CFH)
  107. Magali Mendonça (Depto. de Geografia/PPG em Geografia/CFH)
  108. Magda Zurba (Depto. de Psicologia/CFH)
  109. Mara Coelho de Souza Lago (Depto. de Psicologia/PPG em Psicologia/CFH)
  110. Marcelo Accioly Teixeira de Oliveira (Depto. de Geografia/PPG em Geografia/CFH)
  111. Márcia Grisotti (Depto de Sociologia e Ciência Política/CFH)
  112. Márcio Rogério Silveira (Depto. de Geografia/PPG em Geografia/CFH)
  113. Marco Antonio Castelli (CCE)
  114. Marco Aurelio Da Ros (PPGSC/CCS)
  115. Marcos Aurélio da Silva (Depto. de Geografia/PPG em Geografia/CFH)
  116. Marcos Baltar (Depto. de Línguas e Literatura Vernáculas/PPGL/CCE)
  117. Marcos Eduardo Rocha Lima (Depto. de Psicologia/PPGP em Psicologia/CFH)
  118. Maria Aparecida Crepaldi (Depto. de Psicologia/PPGP em Psicologia/CFH)
  119. Maria Bernardete Ramos Flores (PPGH e PPGICH/CFH)
  120. Maria Chalfin Coutinho (Depto. de Psicologia/PPGP/CFH)
  121. Maria Eugenia Dominguez (Depto. de Antropologia/PPGAS/CFH)
  122. Maria de Fátima Fontes Piazza (Departamento de História/ PPGH/CFH)
  123. Maria Juracy Toneli (Depto. de Psicologia/PPG em Psicologia/CFH)
  124. Maria de Lourdes Borges (Depto. de Filosofia/PPG em Filosofia/CFH)
  125. Maria del Carmen Cortizo (Depto. de Serviço Social/CSE)
  126. Maria do Carmo Oliveira Saraiva (PPGEF/CDS)
  127. Maria Ignez S. Paulilo (PPGSP/UFSC)
  128. Maria Lúcia de Paula Herrmann (Depto. de Geografia/PPG em Geografia/CFH)
  129. Maria Soledad Etcheverry Orchard (Depto. de Sociologia e Ciência Política/PPGSP/CFH)
  130. Maria Teresa dos Santos (Depto. de Srviço Social/CSE)
  131. Maria Terezinha Silveira Paulilo (BOT/CCB)
  132. Mariana Paolozzi Sérvulo da Cunha (Depto. de Filosofia/PPG em Filosofia/CFH)
  133. Marivete Gesser (Depto. de Psicologia/CFH)
  134. Márnio Teixeira-Pinto (Depto. de Antropologia/PPGAS/CFH)
  135. Maurício Roberto da Silva (PPGEF/CDS)
  136. Maurício Soares Leite (Depto. de Nutrição/CCS)
  137. Mauro Luís Vieira (Depto. de Psicologia/PPGP/CFH)
  138. Meriti de Souza (Depto. de Psicologia/PPGP/CFH)
  139. Michelly Laurita Wiese (Depto de Serviço Social/CSE)
  140. Miriam Furtado Hartung (Depto. de Antropologia/PPGAS/CFH)
  141. Miriam Pillar Grossi (Depto. de Antropologia/PPGAS/CFH)
  142. Mônica Sol Glick (Depto. de História/UFSC)
  143. Myriam Mitjavila (Depto de Serviço Social/CSE e PPGICH/CFH)
  144. Nazareno José de Campos (Depto. de Geografia/PPG em Geografia/CFH)
  145. Nestor Habkost (Depto. de Ensino/CED)
  146. Nícia L. D. Silveira (Depto. de Psicologia/CFH)
  147. Oscar Calavia (Depto. de Antropologia/PPGAS/CFH)
  148. Patrícia Anna Bricarello (Depto. de Zootecnia e Des. Rural/CCA)
  149. Patrícia de Moraes Lima (Depto. de Ensino/CED)
  150. Patricia Laura Torriglia (Depto. de Estudos Especializados/CED)
  151. Paulo Belli Filho (Depto. de Engenharia Sanitária e Ambiental/CTC)
  152. Paulo José Krischke (PPGICH/CFH)
  153. Pedro de Souza (Departamento de Língua e Literatura Vernáculas/CCE)
  154. Rafael Devos (Depto. de Antropologia/PPGAS/CFH)
  155. Rafael José de Menezes Bastos (Depto. de Antropologia/PPGAS/CFH)
  156. Raquel Barros Miguel (Depto. de Psicologia/CFH)
  157. Raul Antelo (Departamento de Língua e Literatura Vernáculas/CCE)
  158. Raul Burgos (Depto. de Sociologia e Ciência Política/PPGSP/CFH)
  159. Renata Palandri Sigollo Sell (Depto de História/PPG em História/CFH)
  160. Ricardo Gaspar Muller (Depto. de Sociologia e Ciência Política/PPGSP/CFH)
  161. Rita de Cassia Barbosa (Departamento de Língua e Literatura Vernáculas/CCE)
  162. Rosa Alice Mosimann (Depto. Língua e Literatura Estrangeira/UFSC)
  163. Rosalba Maria C. Garcia (Depto de Estudos Especializados em Educação/CED)
  164. Rosana Kamita (Departamento de Língua e Literatura Vernáculas/CCE)
  165. Rúbia dos Santos (Depto. de Serviço Social/CSE)
  166. Sandra Noemi Cucurullo de Caponi (Depto. de Sociologia e Ciência Política/PPGSP/CFH)
  167. Silvia Zanatta Da Ros (CED)
  168. Scott Corell Head (Depto. de Antropologia/PPGAS/CFH)
  169. Shirley Kuhnen (Depto. de Zootecnia e Des. Rural/CCA)
  170. Silvia Loch (Depto. de Antropologia/PPGAS/CFH)
  171. Simone Pereira Schmidt (Departamento de Língua e Literatura Vernáculas/CCE)
  172. Simone Sobral Sampaio (Depto de Serviço Social/CSE)
  173. Susan de Oliveira (Departamento de Língua e Literatura Vernáculas/CCE)
  174. Susana da Rosa Tolfo (Depto. de Psicologia/PPGP/CFH)
  175. Tânia Regina Krüger (Depto. de Serviço Social/CSE)
  176. Tânia Regina Oliveira Ramos (Departamento de Língua e Literatura Vernáculas/CCE)
  177. Vânia Cardoso (Depto. de Antropologia/PPGAS/CFH)
  178. Vânia Maria Manfroi (Depto. de Serviço Social/CSE)
  179. Vera Lúcia Bazzo (Depto. de Metodologia de Ensino/CED)
  180. Vera Nogueira (Depto. de Serviço Social/CSE)
  181. Zahidé L. Muzart (PPGL/CCE)
  182. Zilma Gesser Nunes (Depto. de Língua e Literatura Vernáculas/CCE)

 

Professores da UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL

  1. Ari José Sartori  (Ciências Sociais)
  2. Fábio Carminatti (Ciências Sociais)
  3. Valéria De Bettio Mattos (Ciências Sociais)
  4. Ricardo Monteiro (Estatística e Informática)
  5. Wagner Barbosa Bartella (Geografia)
  6. Wagner Tenffen (Física)

 

 

Entidades manifestam-se sobre ação policial na UFSC
Publicado em 28/03/2014 às 16:16

Desde os acontecimentos do dia 25 de março na Universidade Federal de Santa Catarina, diversas entidades manifestam-se sobre o ocorrido.Veja algumas das manifestações: 

:: Sindicato dos Jornalistas de Santa Catarina (SJSC) e Federação nacional dos Jornalistas (FENAJ)

O Sindicato dos Jornalistas de Santa Catarina e a Federação Nacional dos Jornalistas vêm a público repudiar as práticas autoritárias por parte do aparato policial do Estado e também os ataques ao exercício do Jornalismo, ocorridos no campus da Universidade Federal de Santa Catarina.

Denunciamos a ação truculenta e desproporcional da Polícia Federal e da Polícia Militar na UFSC, que resultou na agressão a estudantes, professores e servidores e, sobretudo, feriu a autonomia universitária. Ao repudiar os excessos da força policial, manifestamos também nossa solidariedade às vítimas, à comunidade da UFSC e à população de Santa Catarina, que teve um de seus maiores patrimônios atacado.

Também não podemos aceitar que os jornalistas sejam impedidos de realizar o seu trabalho, ao mesmo tempo em que apelamos aos profissionais e donos das empresas de comunicação para a responsabilidade inerente ao exercício da função, que é a de informar com ética e o máximo de exatidão.

Infelizmente, no episódio em pauta, a edição veiculada em alguns noticiários errou ao mostrar primeiro a reação dos estudantes e depois a ação da polícia, quando o que aconteceu foi o contrário. As imagens deixam claro que a polícia deu início à ação violenta e assumiu os riscos daí decorrentes, desencadeando a reação dos estudantes. E mostram também os próprios policiais quebrando uma viatura de segurança do campus.

Igualmente condenáveis foram os comentários de profissionais favoráveis à brutalidade policial.

Às empresas jornalísticas, além de garantir a segurança de seus profissionais, ressaltamos o dever de promover o debate igualitário de ideias e a manifestação de opinião. A correta informação é fundamental para que a população não seja induzida a formar juízos contrários aos fatos.

O Sindicato dos Jornalistas e a FENAJ cobram das autoridades providências em relação à atuação da polícia dentro da Universidade e pedem aos alunos e demais manifestantes que respeitem o trabalho da imprensa e não impeçam o livre exercício do Jornalismo, elemento fundamental na consolidação da democracia.

Florianópolis (SC), 27 de março de 2014.

Sindicato dos Jornalistas de Santa Catarina – SJSC
Federação Nacional dos Jornalistas – FENAJ

 http://sjsc.org.br/nao-a-violencia-na-ufsc-e-ao-ataque-ao-exercicio-do-jornalismo/

:: Direção da Faculdade de Educação da Universidade do Estado de Santa Catarina (FAED/UDESC)

NOTA DA DIREÇÃO DA FAED/UDESC

Diante dos fatos ocorridos no último dia 25 de Março no Campus da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), no âmbito de uma ação policial empreendida por forças federais e estaduais, a Direção do Centro de Ciências Humanas e da Educação (FAED/UDESC) vem a público manifestar a mais irrestrita solidariedade ao Diretor do Centro de Filosofia e Ciências Humanas (CFH), Professor Paulo Pinheiro Machado, vítima de agressão física inaceitável e à Reitora da UFSC, Professora Roselane Neckel, alvo de ilações descabidas e menores.

A violência, venha de onde vier, é inaceitável, ainda mais em um espaço público e vocacionado para a educação como o Campus da UFSC. Por isso mesmo, repudiamos as hostilidades praticadas contra membros da comunidade universitária: docentes, técnicos universitários e estudantes.

Sabemos o quanto a Direção do CFH e a Reitoria da UFSC são compostas por colegas comprometidos com a educação pública e a universidade brasileira. Neste momento em que parece haver uma mobilização para lançar acusações infundadas e que visam desestabilizar o trabalho que vem sendo realizado naquela importante Instituição de Ensino Superior, externamos nossa confiança em colegas que sempre primaram pela transparência e pela defesa de direitos democráticos duramente conquistados numa sociedade ainda marcada pelo autoritarismo.

Florianópolis, 27 de Março de 2014

Direção da FAED/UDESC

 http://www.faed.udesc.br/?idNoticia=9582

:: Sintufsc

Moção de Repúdio

O Comando Local de Greve dos Técnicos-Administrativos em Educação (TAEs) vêm a público repudiar a ação truculenta, desproporcional e ilegítima da Policia Federal e Polícia Militar dentro do Campus Florianópolis da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). O delegado da Policia Federal responsável por esta ação se demonstrou inflexível desde o principio, não aceitando qualquer tipo de negociação.

Companheiros da Comunidade Universitária (estudantes, TAEs e professores) sofreram com o ataque da Tropa de Choque comandada pela Polícia Federal, que dispararam balas de borracha, lançaram gás lacrimogênio e inclusive colocaram em perigo às crianças Núcleo de Desenvolvimento Infantil (NDI) e Flor do Campus (escolas de educação infantil do Campus).

A autonomia das universidades federais precisa ser garantida e não podemos dar carta branca para qualquer intervenção policial em nossa universidade, pois nosso histórico recente de violência e perseguição aos movimentos sociais não pode ser esquecido, de modo que não podemos aceitar que estes atos sejam vistos como naturais e ocorram sem a punição de seus responsáveis.

Deste modo, repudiamos veementemente as ações que violam os direitos humanos realizadas pelas corporações policiais em nosso país, e em especial em nossa Universidade. Repudiamos ainda a assinatura por parte da Administração Central no Inquérito Civil nº 06.2013.00010551-0, que delega autoridade e autoriza a entrada da PM irrestritamente. Em respeito ao nosso histórico de luta contra a ditadura civil-militar e da luta de nossa categoria e do povo brasileiro em prol da democracia, exigimos que os responsáveis por esta operação sejam punidos e se desculpem publicamente pelo ocorrido.

Comando Local de Greve
http://www.sintufsc.ufsc.br/wordpress/?p=10936

:: Pós Graduação em Antropologia Social

A coordenação do Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social manifesta o repúdio à ação arbitrária, truculenta e desproporcional da Polícia Federal e militar no episódio ocorrido no dia 25 de março, no campus da UFSC em Florianópolis.

http://ppgas.posgrad.ufsc.br/2014/03/26/nota-de-repudio/

:: Memorial dos Direitos Humanos da UFSC

Nota de repúdio à invação do campus da UFSC pela polícia

O Memorial dos Direitos Humanos registra seu repúdio à ação violenta e arbitrária utilizada pela Polícia Federal e pela Polícia Militar ao invadirem o campus da Universidade Federal de Santa Catarina, em Florianópolis, na última terça-feira, 25/03. A ação representa clara violação aos direitos humanos e um atentado à autonomia da Universidade.

http://memorialdh.sites.ufsc.br/nota-repudio-invacao-campus-ufsc-policia/

:: AJD -SC 

Nota pública

 O Núcleo Catarinense da Associação Juízes para a Democracia, entidade não governamental e sem fins corporativos, que tem dentre suas finalidades o respeito absoluto e incondicional aos valores jurídicos próprios do Estado Democrático de Direito e a promoção e a defesa dos princípios da democracia pluralista, bem como a difusão da cultura jurídica democrática, vem a público manifestar-se acerca da ação policial levada a cabo em 25/03/2014 no campus da UFSC.
Salta aos olhos a desproporção dos meios utilizados pela ação da Polícia Federal e da Polícia Militar para combater um crime que sequer é penalizado por nosso ordenamento jurídico. A ação se caracterizou pela intransigência e pela violência que, não raro, são a marca das forças policiais em nosso país, o que revela a necessidade urgente de discutir a remodelação dessas instituições, em particular a desmilitarização. Mais respeito à cidadania, menos repressão.
À Polícia Federal, como polícia judiciária, cabe a realização de serviços de inteligência, em vez de truculência direta e indistinta contra estudantes e professores. A presença ostensiva da Polícia Militar no campus abala o valor fundamental da autonomia universitária e das pesquisas científicas e acadêmicas.
Salientamos ainda que apontamentos mundiais sérios indicam que a forma de tratar a questão da droga refoge às políticas penais. A “guerra às drogas” já se mostrou ineficaz no combate ao tráfico e é utilizada como justificativa para a violência indiscriminada do Estado em face da população mais carente. O ambiente acadêmico é justamente o local mais adequado para se discutir esse fenômeno sem a criminalização.
A consolidação da democracia em nosso país somente será alcançada com o respeito ao Estado de Direito, no qual o exercício do poder é limitado pela observação das leis, de modo a impedir a sua utilização de forma arbitrária, em especial pelas forças da ordem.
Florianópolis, 27 de março de 2014.

::  Andes – SN

Carta enviada pelo ANDES-SN ao Ministério da Justiça solicitando posicionamento quanto à ação ilegal da Polícia Federal na UFSC:

“Carta nº 053/2014

Brasília, 27 de março de 2014

Excelentíssimo Senhor
José Eduardo Cardozo
Ministro de Estado da Justiça
BRASÍLIA – DF

Senhor Ministro,

Vimos, por meio desta, repudiar veementemente a ação ilegal da Polícia Federal, que fere o Art. 207 da Constituição Federal, ao promover operação repressiva na Universidade Federal de Santa Catarina, no dia 25 de março corrente, sem qualquer comunicação ou autorização da Reitora, Professora Roselane Neckel, com o agravante de chamar a tropa de choque da Polícia Militar do Estado de Santa Catarina, que agiu violentamente contra estudantes, professores e servidores técnico-administrativos. Salta aos olhos que agentes da própria Polícia Federal tenham agido violenta e desrespeitosamente, como mostra a imagem abaixo desses agentes lançando spray de pimenta no Diretor do
Centro do Filosofia e Ciências Humanas daquela universidade, Professor Paulo Pinheiro Machado, que buscava negociar uma solução pacífica e respeitosa de acordo com a Lei. Salientamos, em conformidade à nota de repúdio emitida pelas senhoras Reitora e Vice-Reitora daquela instituição (http://noticias.ufsc.br/2014/03/nota-de-repudio/), a urgência da apuração dos fatos e consequente punição dos responsáveis por esta operação lamentável e ilegal, bem como a punição dos responsáveis.

Respeitosamente,
Prof. Márcio Antônio de Oliveira
Secretário-Geral”

Oriente Médio é o tema da segunda atividade de abertura do semestre no CFH
Publicado em 25/03/2014 às 10:58

 “Oriente médio em ebulição: Reflexo de um século de atuação efetiva do Ocidente” é o tema da atividade de recepção dos calouros desta terça, 25 de março, no auditório do CFH, com a palestra do professor Renato Costa, do Departamento de Relações Internacionais da Universidade do Pampa (UNIPAMPA). O evento, que faz parte da quinta edição do Festival Sul-Americano de Cultura Árabe, realizado em 17 cidades brasileiras, foi organizado pela professora Aline Dias da Silveira, coordenadora do Curso de História da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), e pela professora Liane Chipollino Aseff, da Biblioteca e Centro de Pesquisa América do Sul – Países Árabes (Bibliaspa).

A palestra irá abordar temas contemporâneos do Oriente Médio, como a relação entre o Irã e os Estados Unidos, os conflitos na Palestina, além de temas históricos como a influência de países como França e Grã-Bretanha para atual diretriz do Oriente. Uma mesa de discussões ocorrerá após a apresentação, e contará com a participação de: Márcio Roberto Voigt, docente de Relações Internacionais do Departamento de História da UFSC, e Khader Othman, representante da comunidade árabe de Florianópolis. A mediação será feita pela professora Luciana Rassier, do Departamento de Literatura da UFSC.

Sobre o Festival Sul-Americano de Cultura Árabe

Mais de 150 atrações gratuitas entre exposições, apresentações musicais, de filmes e oficinas culturais estarão no 5º Festival Sul-Americano de Cultura Árabe (SACA), que começou na terça-feira, 18 de março, em 17 cidades brasileiras e no exterior. O evento é promovido pela Biblioteca e Centro de Pesquisa América do Sul – Países Árabes (Bibliaspa), com apoio da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco). O festival é realizado desde 2010, sempre entre os dias 18 e 31 de março para comemorar a imigração árabe no Brasil, celebrada em 25 de março.

Serviço

Palestra: Oriente médio em ebulição – Reflexo de um século de atuação efetiva do Ocidente

Quando: Dia 25/03/14

Horário: 19h30

Local: auditório do Centro de Filosofias e Ciências Humanas- CFH/UFSC

Informações: Esta imagem contém um endereço de e-mail. É uma imagem de modo que spam não pode colher.

Seminário interuniversitário debate terras indígenas e crescimento econômico
Publicado em 24/03/2014 às 15:37

O IV Seminário interuniversitário “Terras Indígenas e Crescimento Econômico: Tempo de Dúvidas e Desafios” será realizado dias 24 e 25 de março, a partir das 18h30min, no  Plenarinho Paul Stuart Wright, Assembléia Legislativa de Santa Catarina (Alesc). O evento é promovido pela Udesc (PetGeo), pela UFSC (Licenciatura Intercultural Indígena do Sul da Mata Atlântica), Univali e Unisul, com apoio da Associação Brasileira de Antropologia e Funai.

O golpe militar de 1964 é o tema da Conferência de abertura do semestre nesta segunda
Publicado em 21/03/2014 às 19:04

O professor Fernando Ponte de Sousa dará a conferência de abertura do Semestre, sobre os 50 anos do golpe militar de 1964 no Brasil. A conferência será nesta segunda,  24 de março, as 19:30h, no auditório do CFH.

Fernando Ponte de Sousa é professor aposentado do Departamento de Sociologia e Ciência política do CFH.  Tem graduação em Ciências Sociais pela Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (1975), mestrado em Psicologia Social pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1983) , doutorado em Psicologia Social pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1992) e pós-doutorado na Universidad Complutense de Madrid(2010).  Na área de Sociologia desenvolve investigações com ênfase em Sociologia do Trabalho, atuando principalmente nos seguintes temas: trabalho, ditadura militar, direitos humanos, ,sociologia no ensino médio, crise e mundialização do capital. Suas atividades extensionistas envolvem questões urbanas e a participação comunitária; também desenvolve extensão relacionada à Sociologia no Ensino Médio e memória e direitos humanos.É coordenador do LASTRO (Laboratório de Sociologia do Trabalho), do LEFIS (Laboratório de Ensino de Filosofia e Sociologia) e da Editoria Em Debate.

E na terça, 25 de março, às 19:30h, no auditório do CFH, as atividades de abertura do semestre continuam com a palestra “O Oriente Médio em Ebulição”, com o Prof. Dr. Renato Costa (UNIPAMPA), com os debatedores Prof. Dr. Márcio Voigt (História/CFH/UFSC) e Khader Otman (Comunidade Árabe de Florianópolis).

  • 1960 - 2010 - Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) | Central Telefônica - (48) 3721-9000
  • Última atualização do site foi em 22 de abril 2014 - 17:01:54